Centro de Estudos no Controle da Dor, do Medo e da Ansiedade,
Anestesia, Sedação e Analgesia

Responsabilidade Social

Projetos do Grupo Nitro:

Responsabilidade Social é a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. Responsabilidade social tem se tornado, nos últimos anos, um assunto cada vez mais presente no mundo das empresas, mas é um conceito ainda nebuloso, pois muitas vezes vem associado à idéia pura e simples de filantropia.

Não existe idéia mais equivocada que essa e maior distorção do conceito. Responsabilidade social não é filantropia. O Instituto Ethos, sintetiza, enfim, o que é a responsabilidade social: um conjunto de valores baseados em princípios éticos que envolvem inicialmente os produtos, evolui para a abordagem dos processos, até chegar ao tratamento abrangente das relações compreendidas na atividade empresarial, com os empregados, os fornecedores, os consumidores, a comunidade, a sociedade e o meio ambiente.

A Saúde Coletiva em Odontologia:

•  Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas (Especialista e Mestre em Saúde Coletiva - UNICAMP)

•  Dra. Carla Gonçalves Gamba (Especialista e Mestre em Saúde Coletiva - UNICAMP - e Coordenadora de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde de Miguel Pereira)

Considerações:

O atendimento em saúde bucal para a população de baixa renda continua sendo um desafio no Brasil. As razões para tal são multifatoriais e alguns pontos merecem uma reflexão mais amiúde. Dentre estas, sobressalta e assombra a falta de informação e a falta de planejamento, esta sendo conseqüência da anterior. Quando as mesmas existem, dificilmente estas informações têm sido utilizadas como recurso de pesquisa epidemiológica e avaliação do efeito de procedimentos adotados. Isso torna o gerenciamento do atendimento e do saber odontológico mais complexo do que poderia ser.

A epidemiologia em saúde bucal tem tido, historicamente, uma atuação pouco expressiva. O mais rudimentar dos instrumentos de análise e monitoramento da saúde bucal das populações, os levantamentos epidemiológicos, têm sido pouco experimentados no Brasil (Roncalli, 1998). O primeiro levantamento epidemiológico de saúde bucal, no país, foi realizado somente em 1986. Até então, acreditava-se que as necessidades de tratamento odontológico da população seriam de tal magnitude que impediriam o êxito de quaisquer propostas de solução em massa, tornando, portanto, desnecessários levantamentos precisos, já que bastava apenas saber que essas necessidades eram imensas (Brasil, 1988).

A superação dessas atuações pouco expressivas deveu-se ao reconhecimento de que o conhecimento do perfil dos principais problemas de saúde bucal da população é um indicador insubstituível para a provisão de serviços e de recursos.

A arte de realizar um levantamento adequado para a realidade de cada região ou paísestá na correta compatibilização entre as aspirações dos que buscam conhecer com detalhes a situação da saúde da comunidade sob seus cuidados e os recursos físicos, humanos efinanceiros movimentados pelo setor odontológico (Pinto, 2000).

Diversos autores têm apontado a necessidade de se desenvolver pesquisas que levantem informações relevantes para o planejamento dos serviços de saúde, mas faltam iniciativas para o proposto. No Brasil, é muito pouco conhecida a epidemiologia das doenças de um modo geral, e de saúde bucal em particular, mas índices das reais necessidades de problemas bucais têm sido esporádicos.

Dentro da nossa filosofia de responsabilidade social, procuramos apresentar a nossa pequena contribuição, pra com a saúde da população onde convivemos, certos de que se a maioria dos profissionais de saúde se engajarem e pequenos projetos como os desenvolvidos por nós, muito poderemos auxiliar as autoridades sanitárias, amenizando o sofrimento daqueles que carentes necessitam de atendimento. Veja aqui os projetos desenvolvidos pelo Grupo Nitro:

 

Índice dos Projetos:

  1. Vassouras Costurando a Saúde
  2. Capacitação dos Agentes Comunitários de Saúde de Vassouras
  3. Projeto Sorriso Especial APAE de Miguel Pereira
  4. Projeto Sorrindo no Parto, Sorrindo no Peito
  5. Dentista do Bem
  6. Implementação do Protocolo de Trauma Dental nas Escolas de Miguel Pereira
  7. Campanha de Educação em Saúde Bucal – 0 a 100 anos Escolas de Miguel Pereira
  8. Projeto de Implementação de Saúde Oral Continuada na Tribo Indígena de Brachuy em Angra dos Reis
 

1- VASSOURAS COSTURANDO A SAÚDE

Coordenação: Dra. Carla Gonçalves Gamba e Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas

Assistentes: Dra Jennifer S. Ferraz de Caldas e Dr. Roberto Pena da Costa Baptista

Foi um Projeto Piloto de Capacitação de Equipes de Saúde Bucal, que integrou uma pesquisa previamente aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa da FOP-UNICAMP em 2006. O município de Vassouras (RJ) foi o escolhido por ter um número ideal de equipes de saúde bucal na atenção básica, em relação ao número de habitantes. Dispõe de um Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) tipo II, e uma Faculdade de Odontologia, que foi contemplada com o Pró-Saúde.

Através do seu conteúdo programático, inseriu os profissionais envolvidos nas equipes multiprofissionais, norteado não só pelas diretrizes gerenciais e organizacionais de cada serviço, mas também pela concepção de que os cirurgiões-dentista devem conquistar respeito, ter finalidade clara, e através da contextualização da saúde bucal "costurar" seu papel nas unidades de saúde.

A fim de estabelecer um processo educacional de capacitação que pudesse apresentar um bom nível de qualidade quando comparado aos modelos tradicionais, teve-se como objetivo focar o profissional com visão generalista capaz de atender às necessidades prevalentes da comunidade, através de uma filosofia preventiva e de um trabalho em equipe com níveis adequados de qualidade.

Atendimento pelos alunos no CEO, utilizando a Via Inalatória:

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

2- CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E ACDS

Coordenação: Dra Carla Gonçalves Gamba

Assistentes: Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas, Dra. Jennifer S. Ferraz de Caldas e Dr. Roberto Pena da Costa Baptista

A Capacitação Profissional teve carga horária de 160 horas e participaram do projeto: Cirurgiões-Dentistas da Rede, Professores da Universidade, Auxiliares de Consultório e Agentes Comunitários de Saúde.

O projeto contou com o apoio institucional da Secretaria Municipal de Saúde, e do Curso de Odontologia da Universidade Severino Sombra. Representados, A Secretaria Municipal de Saúde representada pelo então secretário Dr. José Carlos Vaz Miranda e respectivas coordenadoras de Saúde Bucal Dras. Carla Simone e Luciana Rosa, contando com a colaboração da Coordenação da Atenção Básica e do curso de Odontologia da Universidade Severino Sombra com destaque para a motivação do Prof. Dr. Sileno Brum representante docente da Faculdade de Odontologia, no Pró-Saúde, nosso elo de ligação entre a rede e a faculdade.

Da esquerda para a direita: Dr. Joaquim (aluno), Profa. Carla Gamba, Dra. Carla Simone (CSB),
Exmo sr. Secretario de Saúde de vassouras Dr. Jose Carlos, Coordenadora de Saúde Bucal de Vassouras
Dra. Luciana Rosa, Sr. Fábio (Administrador do CEO), Dr. Rodrigo Flores (aluno).

Como resultados, consideramos o crescimento individual, avaliado pelos questionários e teste de avaliação final, e a resultante deste na produção e na motivação em torno de possíveis novos objetivos, visto que os resultados mais abrangentes somente são observados, quando existe uma uniformidade de atuação, que será sempre reflexo da participação da gestão, no processo evolutivo.

Quanto ao Protocolo de Redução de Estresse, a possibilidade de implantação da via inalatória, foi possível, através da aquisição de um equipamento para sedação por via inalatória para utilização no CEO, o que irá viabilizar a utilização do PRE na sua totalidade no Centro de Especialidades Odontológicas no município de Vassouras, iniciativa que esperamos possa ser multiplicada em outros municípios, cujos processos de reorganização das Equipes de Saúde Bucal estejam em andamento e novas possibilidades de utilização de recursos possam e devam ser pensadas.

Atendimento de pacientes com necessidades especiais, que apresentavam impossibilidade de uso da via oral.

Quanto ao Protocolo de Farmacologia, resultou em diminuição na quantidade de medicamentos dispensados e racionalidade na prescrição e uso (diminuição de quantidade de anestésicos locais).

O Atendimento de pacientes portadores de necessidades especiais (PNE) e de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em ambiente ambulatorial diminuiu a referência para alta complexidade, reduziu custos, minimizou riscos, e ampliou horizontes na realidade de profissionais que com uma capacitação de cerca de 160hs, poderão contribuir para as transformações ainda necessárias do SUS.

Os custos dos atendimentos com sedação consciente por via oral e inalatória foram levantados em outras duas pesquisas experimentais, realizadas por nós, no mesmo período, também aprovadas pelo Comitê de ética e Pesquisa (CEP) da FOPUNICAMP, são elas:

- Estudo da Viabilidade da Sedação Consciente com a Mistura Óxido Nitroso/Oxigênio em Serviço Público Odontológico no Atendimento de Emergências;

- Avaliação da Eficácia de Duas Vias Do Protocolo de Redução de Estresse (PRE), em Atendimento Odontológico em Serviço Público de Saúde.

Este projeto foi um dos selecionados a participar da I EXPOGEST (Mostra Nacional de Vivências Inovadoras de Gestão no SUS), no Eixo 2 (Gestão do Cuidado em Saúde) em Brasília no ano de 2006.

Os autores Luiz Alberto F. de Caldas e Carla Gamba com o então Ministro da Saúde Dr. José Agenor Álvares da Silva.

Podemos concluir que revisitar a própria cidadania com estes trabalhadores de saúde bucal coletiva e com a população cidadã, nos impulsionou a transcender às limitações da realidade vigente e acreditar em uma "efeito dominó" que pode que pode começar na " costura da saúde" que para nossa classe, se inicia com um melhor nível de saúde bucal, o que comprovadamente leva a um real bem-estar e conseqüente melhor vida social, e melhor saúde geral.

Mas por outro lado, ao terminarmos este projeto, deparamo-nos com uma situação que mostra um frágil compromisso existente entre esta capacitação, que hoje é uma realidade ao menos para os profissionais que participaram diretamente do projeto, e o modelo de atenção, que inclui visões segmentadas por existir ainda uma real segmentação entre as unidades de saúde da família e suas equipes de saúde bucal e entre estas e o centro de especialidades odontológicas.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

3- PROJETO SORRISO ESPECIAL APAE DE MIGUEL PEREIRA

Coordenação: Dra Carla Gonçalves Gamba, Dra Jennifer S. Ferraz de Caldas e Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas

Projeto de Prevenção e Manutenção de Saúde Bucal Continuada

Participantes: Cirurgiões-Dentistas integrantes do NATO - Núcleo Avançado de Tratamento Odontológico - e a equipe de profesores e cuidadores da APAE

Metas deste Projeto:

•  Objetivar a manutenção da saúde bucal,baseado na sua estrutura familiar;

•  Priorizar períodos de manutenção de acordo com: agravos crônicos da saúde geral, grau de susceptibilidade à cárie e a doença da gengiva. Por ex: indivíduos hipertensos e com problemas gengivais devem retornar aos nossos serviços a cada 3 meses, para serem avaliados e motivados a manutenção de sua saúde bucal;

•  Implementar motivações, baseadas em encontros com a família, objetivando ressaltar a importância da higiene(escovação e fio dental) e hábitos alimentares;

•  Implementar campanhas para linhas de tratamento Acolhimento – auto percepção de saúde bucal – atendimento para quem a princípio não necessita de atendimento;

•  Atendimentos de emergência também estão incluídos no projeto;

•  Protocolo de Redução de Estresse- Sedação Consciente, redução de dor, medo e ansiedade, com o objetivo de aumentar a segurança do atendimento aos pacientes especiais.

Dra Carla Gamba e equipe de professores e cuidadores da APAE.

Dra Jennifer Caldas procedendo a triagem inicial.

Avaliação.

Atendimento aos pacientes portadores de necessidades especiais da APAE.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

4- PROJETO SORRINDO NO PARTO SORRINDO NO PEITO

Coorenadores: Dra. Carla Gonçalves Gamba e Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas

Assistentes: Dra Jennifer S. Ferraz de Caldas, Dra Helena Cristina A. Ferraz de Caldas e Dra. Michele Cristina Caldas da Costa Duba

Apoio: Secretaria de Saúde de Miguel Pereira, Rotary Club de Migule Pereira e Rotary Club Ayrton Senna Barra da Tijuca

Dra. Carla Gamba. Acadêmicos do Curso de Odontologia da USS.

Dr. Wanderley Chaves Secretario de Saúde. Dras. Helena, Michele e Jennifer e
Diretora da Casa da Amizade.

Unidade móvel de atendimento odontológico. Dr. Geílson Scofield atual Coordenador de
Saúde Bucal De Miguel Pereira De Miguel Pereira.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

5- DENTISTA DO BEM

Os cirurgiões dentistas do NATO, Dra. Jennifer Caldas, Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas e a Dra. Carla Gamba são "dentistas do bem". A Dra. Carla Gonçalves Gamba é coordenadora deste fantástico projeto social na área de saúde bucal para os municípios de Miguel Pereira e de Paty do Alferes.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

6- IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE TRAUMA DENTAL

Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas
Dra. Carla Gonçalves Gamba
Dra. Jennifer Schauperl Ferraz de Caldas - Coordenadora do Projeto

Dra Jennifer Caldas ministrando palestra educativa.

Teve como objetivo o esclarecimento na rede pública e privada de Miguel Pereira (professores e coordenação), quanto a ocorrência do traumatismo dental.

O Traumatismo Dental é uma ocorrência comum em odontologia, e representa uma ameaça para a saúde bucal entre crianças e adolescentes. Estudos demonstram que uma em cada duas crianças sofre acidentes que produzem injúria e trauma dental e a maior prevalência destes acidentes ocorrem na faixa etária compreendida entre os oito e os doze anos de idade. O prognostico do dente traumatizado, depende do pronto e apropriado atendimento inicial. Este atendimento inicial, do acidente, de acordo com a Dra Jennifer Caldas é feito em sua grande maioria, geralmente pelos pais da criança ou pelos seus professores e auxiliares de educação, e antecede o atendimento pelo cirurgião-dentista. O conhecimento básico sobre o Traumatismo Dental pelos professores e auxiliares de educação, é muito importante para o correto manejo e conseqüente prognóstico do dente traumatizado. O objetivo deste projeto foi avaliar o conhecimento geral sobre o Traumatismo Dental (Traumatismo dento-alveolar) dos professores e dos auxiliares de educação, do ensino fundamental das escolas do município de Miguel Pereira e a conduta que tomariam frente a uma criança acidentada. Para a pesquisa, foram utilizados questionários com perguntas sobre o traumatismo dental, e qual conduta inicial a ser tomada. A Dra Jennifer Caldas assinalou em suas palestras que os conhecimentos por parte dos educadores e auxiliares de educação sobre Trauma Dentário são de suma importância para diminuir as perdas dentárias precoces, pois em Trauma, quanto mais rápido forem tomadas as providências corretas melhores serão os resultados. Este trabalho também pretendeu traçar estratégias de divulgação do protocolo de Traumatismo Dental no intuito de ampliar os conhecimentos do público leigo sobre temas que podem afetar a sua saúde e o seu bem estar de forma direta e definitiva.

Este projeto concluiu pela necessidade da implementação de programas de Educação Popular em Saúde inseridos na agenda de Políticas Públicas do Brasil Sorridente, bem como a adoção de protocolos de atendimento emergencial com a finalidade de aprimorar padronizar os procedimentos a serem seguidos no socorro inicial.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

7- CAMPANHA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL – 0 A 100 ANOS ESCOLAS DE MIGULE PEREIRA

Coordenadores: Dra. Carla Gonçalves Gamba, Dra. Jennifer S. Ferraz de Caldas e Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas

Aconteceu com o tema Educação em Saúde Bucal trazido pelos coordenadores do NATO - Núcleo Avançado de Tratamento Odontológico, que foi aberto não só para professores, pais e alunos, mas também e principalmente para toda a comunidade.

A manhã começou com um teatro de fantoches, direcionado para as crianças, mas com participação dos pais. As crianças interagiram com muita euforia com os bonecos, onde se tinha o dentinho, o bichinho da cárie e a dentista que ensinavam e perguntavam questões referentes à escovação, alimentação, entre outras.

Logo depois, os pais, responsáveis e os adolescentes foram para uma sala assistir a uma palestra ministrada pelos Dras. Carla Gamba E Jennifer Caldas, onde abordaram vários temas, como prevenção, cárie, dieta, relação gengiva/coração, gestantes, escovação, flúor, implantes, sedação, trauma dental, perda óssea, etc.

Enquanto isso, as crianças foram para uma prática de escovação, onde a Dra. Jennifer Caldas, ensinava como escovar e passava o flúor. As que já tinham passado por essa prática, ganhavam da equipe do NATO, lápis, borrachas, canetas, tatuagens (de colar, feitas na hora), porta dentes-de-leite,...enquanto esperavam os amigos. Logo após, a Dra. Jennifer examinou a todos a fim de levantar as necessidades individuais.

Para terminar as atividades, a criançada foi assistir um DVD do Dr. Dentuço, onde fixaram todo o aprendido durante a manhã.

Finalizando o Sábado Letivo Educação em Saúde Bucal – 0 a 100 anos, a equipe do NATO sorteou duas escovas elétricas (uma infantil e uma adulta) e junto com a Diretora Bianca, oportunidade em que foram entregues os certificados de fluoretação.

Voltar ao índice de projetos  ↑

 

8- IMPLEMENTAÇÃO DE SAÚDE ORAL CONTINUADA NA TRIBO INDÍGENA DE BRACHUY EM ANGRA DOS REIS

Coordenação Científica: Dra Carla Gonçalves Gamba

Coordenação Executiva: Dr. Luiz Alberto Ferraz de Caldas

Coordenação Administrativa: Conselheira Estadual de Educação Profa. Rose Cotrin

Coordenação Acadêmica: Dra. Jennifer S. Ferraz de Caldas e Dr. Roberto Pena da Costa Baptista

Participação: Alunos e Professores da Disciplina de Saúde Coletiva da Faculdade de Odontologia da UNIGRANRIO e Secretaria Municipal de Educação de Angra dos Reis

Apoio: Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro e FUNAI – Fundação Nacional do Indio

No Brasil, é muito pouco conhecida a epidemiologia da saúde bucal entre povos indígenas, constatação que reflete um quadro geral de desconhecimento sobre as condições de saúde dessas populações (Coimbra Jr. & Santos, 2000).

Estudos epidemiológicos de saúde bucal nas populações indígenas brasileiras abordam, principalmente, a ocorrência de lesões de adornos labiais e as várias relações entre hábitos alimentares e culturais e saúde bucal (Blanco Pose, 1993).

Neste levantamento epidemiológico de indígenas , obteve-se o índice de cárie para a dentição decídua (ceo-d) aos seis anos e o índice de dentes cariados, perdidos e obturados (CPO-D) a partir dos 6 anos de idade.

Esses índices, originalmente formulados por Klein e Palmer em 1937 e os mais utilizados em todo o mundo, permitem medir o ataque de cárie por dente e são referência para diagnóstico das condições dentais e para formulação e avaliação de programas de saúde bucal.

Também foi medido o percentual de crianças livres de cárie aos seis anos de idade. A opção pela análise do percentual de crianças livres de cárie aos seis anos – ceo-d – e do CPO-D aos 12 anos (OMS, 1978; FDI, 1982) deve-se ao fato de a política nacional priorizar crianças na escola e à significativa prevalência da doença cárie nessas faixas etárias. Pretendeu-se avaliar a política de saúde desenvolvida na comundade, orientar o planejamento futuro e melhorar a qualidade de vida dessa população.

Para a etnia abordada, fica evidente a ausência de cirurgiões-dentistas e/ou de um modelo assistencial organizado de forma a articular procedimentos curativos e preventivos em todos seus Pólos-base.

Também é necessária a distribuição permanente, a semelhança da que fizemos, de escovas e cremes dentais fluoretados para todos os indígenas da comunidade de Bracuhy. Essas iniciativas, de grande impacto e baixo custo, são mais efetivas que medidas individuais, as quais dificilmente cobrem toda a população.

Para esta comunidade indigena, fazem-se mister ações de saúde integradas entre todos os setores que atuam nessa reserva indígena, na perspectiva da busca da prevenção e promoção da saúde de sua população.

FOTOS TIRADAS NO EVENTO:

Voltar ao índice de projetos  ↑

Termos de uso do site  |  Políticas de privacidade  |  Aviso legal Desenvolvimento Alex Vizeu e Vinicius Zanovelli  -  Hospedagem SVZ